Os Oito Passos do Empreendedor

Empreendedorismo é uma palavra que anda na ordem do dia. E faz sentido que ande, pois o sucesso de um país depende em muito da capacidade que os seus cidadãos têm de empreender. De ter novas ideias, criar novas empresas e novos projectos. Novas formas de criar riqueza e de contribuir para o bem estar das pessoas.

No entanto, empreender, na perspectiva empresarial, exige alguns cuidados que, quando não são considerados, podem levar ao insucesso do projecto e ao desperdício de uma boa ideia. Neste artigo iremos resumir aqueles que consideramos os cuidados mais relevantes e que estruturámos naquilo a que chamámos os oito passos do empreendedor.

Ler artigo competo

Autores

António Abrantes - Nova | Angola Business School

Nadim Habib - Nova School of Business and Economics

João Correia - Nova | Angola Business School

Marília Sampaio - Nova | Angola Business School

Uma doença chamada CEO-tite

A CEO-tite é uma síndrome que ataca líderes de topo. Eis alguns sintomas:

  • tendência para se considerarem acima e melhor do que os outros,
  • preferência por bajuladores,
  • aversão à mudança de rumo mesmo quando este se revela errado,
  • incapacidade de escutar,
  • forte atracão pelo tratamento principesco.

Este artigo discute quer a síndrome quer alguns possíveis antídotos contra os venenos do poder.

Ler artigo competo

Autores

Arménio Rego - Universidade de Aveiro

Miguel Pina e Cunha - Nova School of Business and Economics

Judo Organizacional: usando a energia da crise para vencer a crise

As crises são recheadas de dificuldades, mas também de oportunidades. Contêm as sementes da destruição e da dor, mas também da mudança e da regeneração.

Eis o nosso ponto: o importante não é tanto saber se haverá crises ou não – porque elas são inevitáveis – mas antes o que se faz com elas. Consideramos que o papel dos líderes é crucial para enquadrar as crises e iniciar um processo de judo organizacional, usando a força da crise para combater... a crise. Tal processo depende de quatro compromissos de liderança: compaixão, coragem, controlo e compreensão.

Estes compromissos não significam que uma crise possa ser ultrapassada com sucesso. Mas aumentam a possibilidade de a organização aprender e de se preparar melhor para as próximas crises.

Ler artigo completo

Autores

Arménio Rego - Universidade de Aveiro

Miguel Pina e Cunha - Nova School of Business and Economics

António Abrantes - Nova School of Business and Economics

com

Participantes na Master Class "Liderança para o Crescimento" da Master Class Series "Managing in Zero Growth Economies

Os quatro núcleos de competências de um líder

No seio do confuso e abundante mundo da literatura sobre liderança, encontra-se simplicidade numa tipologia de competências: técnicas, sociais/relacionais, conceptuais, e de liderança pessoal.

Líderes tecnicamente competentes mas desprovidos de competências sociais/relacionais serão incapazes de gerir devidamente equipas e de se relacionarem frutuosamente com subordinados, pares, superiores e entidades externas à organização. E líderes desprovidos de competências conceptuais/estratégicas dificilmente brilharão em funções de gestão de topo. Competências de liderança pessoal relevam em todos os níveis de liderança.

Eis três ilações:

as empresas devem ser cautas nos critérios de seleção de líderes;
programas de desenvolvimento de liderança são cruciais para promover os quatro tipos de competências;
o desenvolvimento começa com a compreensão de si próprio, algo que pode ser prosseguido com ferramentas de feedback 360 graus (como o Compass) ou exercícios de autoconhecimento como "Eu no meu melhor".

Ler artigo completo

Autores

Arménio Rego - Universidade de Aveiro

Miguel Pina e Cunha - Nova School of Business and Economics

Comunicação Sincronizada

A era da colaboração e a nova forma de pensar e agir por parte dos consumidores, potenciada por significativas alterações tecnológicas, obriga as marcas e os marketers a rever as suas metodologias de abordagem do mercado e a forma com se relacionam com os seus potenciais clientes. O modelo de comunicação unidirecional perde vigor e o desafio de adaptação é real. Questionamo-nos até que ponto estas estão preparadas para permitirem e potenciarem a entrada dos consumidores num território que até agora tem sido exclusivamente seu – a estratégia de comunicação e a própria identidade da marca.

Neste artigo pretendemos identificar algumas das alterações evolutivas mais significativas no comportamento dos consumidores relativamente às marcas e ao processo de decisão de compra, e propor um modelo alternativo de comunicação, a que chamámos comunicação sincronizada. Tal como na natação sincronizada, onde todos os elementos da equipa executam uma série de movimentos que se sincronizam num conjunto dinâmico e harmonioso, a comunicação sincronizada procura construir a identidade da marca numa sincronia entre esta e os consumidores assumindo estes um papel fundamental na sua construção.

Ler artigo completo

Autores

Filipa Caldeira - Fullsix

Pedro Batalha - Fullsix

António Abrantes - Nova School of Business and Economics

Jorge Velosa - Nova School of Business and Economics

Mais artigos...

Telefone: +244 222 722 216 | +244 947 512 806 | +244 938 874 679
email: geral.abs@novasbe.pt
Rua Luther King 76-78, Luanda
Siga a Nova | ABS